Tomada de Refúgio - 04/05/2014

No próximo dia 4 de maio, será realizada uma cerimônia de Tomada de Refúgio, às 8h30, durante a programação normal do domingo, no KPG.

A Tomada de Refúgio é uma curta cerimônia na qual se ingressa, formalmente, na senda budista. Envolve o compromisso com a observância de preceitos simples de conduta ética e é o primeiro passo para se avançar no Buddhadharma, abrindo a porta para outras práticas. Também é a ocasião em que se recebe um nome budista. Importante destacar que não se trata de um compromisso sectário. O praticante é livre para continuar a frequentar templos e igrejas de outras religiões, como preferir.

Recomendamos o uso de roupas confortáveis e sapatos fáceis de descalçar, porque sentaremos em almofadas, no chão. Para os que não puderem se sentar no chão, por qualquer motivo, teremos algumas cadeiras disponíveis. Num gesto de gratidão, em honra ao simbolismo e, para que as circunstâncias favoráveis para a obtenção do Refúgio permaneçam e beneficiem outros, estimulamos a realização de oferendas no altar. Podem-se ofertar flores, incenso, velas, ou mesmo alguma outra contribuição espontânea. Também é possível oferecer khata (uma echarpe de seda) aos Lamas, como um gesto simbólico de respeito, apreço e bons desejos. 

Para mais informações sobre o assunto, recomendamos o texto escrito por Bokar Rimpoche, disponível no site do KPG (clique aqui).

Solicitamos aos interessados em tomar refúgio, que enviem mensagem para <sanghakpg@kalu.org.br> informando seu nome completo.

Tradução: Mariângela
Duração: 1h24 min

Treinamento nos estágios extraordinários para as pessoas de capacidade superior

Contemplação 49 - A Paramita da Energia.

Download do índice (clique aqui)

Download do áudio (clique aqui)

Texto Complementar:
Ensinamentos do I Kalu Rimpoche sobre as Seis Paramitas. (Vancouver, Canadá, 03/11/1974) - Clique aqui 


Contemplação 50
Reunir as Condições da Meditação

Em seguida vem a paramita da meditação; a partir de agora eu devo reunir as condições para ela.

A condição para deixar a mente em absorção meditativa é ter a mente em retiro; para isso é preciso deixar o corpo em retiro; para isso é preciso ter poucas atividades e objetivos; para isso é necessário ter poucas necessidades e ser satisfeito; para isso é preciso estar satisfeito com alimentação, roupas, abrigo e leito simples. Qualquer posse que eu tenha eu não me apegarei a ela, mas cultivarei a meditação. Se eu não tiver posses, eu considerarei esta falta de bens como algo bom, não como um obstáculo ao dharma. O que quer que aconteça eu pensarei e considerarei estar satisfeito. Assim estão resumidas as condições para a absorção meditativa.



Contemplação 51
A Paramita da Meditação – A contemplação Principal

Embora existam muitas classificações de meditação, esta contemplação considerará: a meditação que se chama "permanencer na felicidade com a percepção dos fenômenos" – realização da felicidade de corpo e mente perfeitamente puros; "a meditação chamada a realização das qualidades verdadeiras" – é aquela que, tendo se desviado do exterior faz realizar os milagres e os conhecimentos supraordinários; "a meditação que faz o bem dos seres" – é aquela que, baseada na força da absorção meditativa, concede bênçãos para os outros e, com base nos conhecimentos supraordinários, faz o bem dos seres. Todas devem ser baseadas numa pacificação mental sem defeito e com características completas. Começarei por iniciar deixando a mente em um estado de pacificação. Depois preciso realizar todas as absorções meditativas especiais. Medite desta maneira repetidamente.

{Neste momento seria bom explicar alguns detalhes sobre pacificação mental até que surja a certeza. Ainda que o propósito de ensinar aqui as instruções de calma mental seja meramente a obtenção da certeza da visão e alguma experiência, mesmo que a calma mental não seja estável, isso basta. Uma vez que se realizou uma excelente estabilidade na pacificação mental, em seguida há a preservação da visão, e, então, a realização da visão penetrante. Isso é o que é ensinado nos grandes textos. Ainda que seja a intenção dos grandes textos, atualmente as pessoas, por não terem as faculdades afiadas, não podem conseguir por muito tempo uma estabilidade mental sem defeito. Se se realiza a estabilidade mental na base da obtenção da experiência da visão e da compreensão do conhecimento transcendente, isso é a realização simultânea de calma mental e visão penetrante. Eu não dou aqui as instruções para a prática, considerando que as instruções ao discípulo devem se relacionar com a experiência que ele já tem.}


Cognitive Neuroscience of Mindfulness Meditation

Esta palestra bem ilustrada, feita por um autor que estudou com comunidades tibetanas na Índia, é uma apresentação curta, clara e simples que correlaciona neurologia e os benefícios da prática da meditação na atenção.

Philippe é um cientista pesquisador e lidera o grupo de Neurociência Afetiva Clinicamente Aplicada do Departamento de Psicologia da Universidade de Stanford.

Ele passou seis anos na Índia e no Nepal estudando diversos idiomas, Filosofia Budista e debate no Monastério Namgyal e no Instituto de Dialética Monástica. Serviu de intérprete para vários lamas Budistas Tibetanos. Ele então retornou para os Estados Unidos para completar um Ph.D. em Psicologia Clínica na Universidade Rutgers. Sua pesquisa clínica focaliza em a) investigações sobre autoimagem funcional dos mecanismos cognitivos-afetivos em adultos com distúrbios de ansiedade; b) comparação dos efeitos da meditação atenta e da terapia do comportamento cognitivo no comportamento cerebral correlacionada com a reatividade emocional e regulação e c) treinamento de crianças em família e na escola fundamental sobre definições de habilidades de atenção para reduzir ansiedade e para aumentar a compaixão, a autoestima e a qualidade das relações familiares.


Philippe Goldin



Religious Experiences: From the Mundane to the Anomalous

Apresentado no estilo de um relatório, um tour completo sobre as experiências religiosas, suas bases biológicas e sociais e suas interações, do ponto de vista de um religioso naturalista! As partes 2 e 6 são as mais interessantes.
Parabéns, Wesley! Você conhece o seu assunto!
L.T.




I - What Do We Think We Are Doing? Interpreting Religious Behavior, Belief, and Experience

Wesley J. Wildman, professor de Teologia e Ética, discute os métodos científicos e os propósitos práticos e intelectuais do estudo das experiências religiosas e espirituais na primeira palestra de uma série em seis partes denominada Experiências Religiosas: Do Mundano ao Anômalo.

Evento realizado em setembro de 2007 pelo Centro para Estudo de Religião e Psicologia do Instituto Danielsen, da Universidade de Boston.


II - Spirituality and the Brain

Técnicas atuais para estudos neurológicos das experiências religiosas e espirituais e debates sobre seu impacto em nosso entendimento filosófico e científico do sobrenatural.

Realizado em 01/10/2007


III - A Smorgasbord of Dangers and Delights

Vários tipos de experiências religiosas e espirituais - e o que elas nos dizem sobre psicologia, teologia e teoria da evolução.
Realizado em 10/10/2007. 


IV - Can You Trust Your Instincts?

Os valores das experiências espirituais que frequentemente moldam as crenças religiosas - e colo os filósofos determinam quais dessas experiências são confiáveis
Realizado em 25/02/2008.


V - Peeking Behind the Ideological Curtain

Como as necessidades sociais e evolutivas moldaram nossas crenças e comportamentos religiosos.
Realizado em 17/03/2008.


VI - Make It Start, Make It Stop

A promessa que a tecnologia e a ciência têm para o futuro da religião e da espiritualidade humanas.
Realizado em 14/04/2008.


Tradução: Letícia Bortolon
Duração: 1h00 min
Tamanho: 21MB

Treinamento nos estágios extraordinários para as pessoas de capacidade superior

Contemplação 49 - A Paramita da Energia.

Download do índice (clique aqui)

Download do áudio (clique aqui)

Contemplação 49

A Paramita da Energia

Em seguida eu devo treinar a paramita da energia. Existem três tipos de energia: a energia tipo armadura, a energia da aplicação e a energia irreversível.

1. Energia tipo armadura: eu não serei desdenhoso pensando que entre tantas atividades virtuosas, eu não precise observar alguma delas e pensar que matar, por exemplo, seria certo. Da mesma forma eu não ficarei desencorajado, pensando que não serei capaz de empreender um projeto virtuoso, por ser muito grande. Ao contrário, eu realizarei todas atividades virtuosas do Dharma. Eu sou capaz de realizar todas elas. E eu tenho que praticá-las agora! Eu praticarei de maneira ininterrupta!

Pensar desta forma é ter atitude comprometida e entusiasmada sobre as ações virtuosas sem me desencorajar. Para tornar a virtude um hábito mental, medite dessa forma repetidamente.

2. A energia da aplicação: ao colocar atitudes virtuosas em prática, eu não cairei sob o poder da preguiça e da distração mas, ao contrário, eu me engajarei de forma entusiástica na virtude. Preservando o entusiasmo, eu prolongo qualquer atividade vrituosa tanto quanto possível.

3. A energia irreversível: mesmo que os sinais do calor e dos benefícios da prática não surjam de maneira imediata; ou se um projeto que eu empreender não for finalizado facilmente; não importa o quanto ele demore e nem quais sejam as dificuldades. Eu tenho que persistir com alegria, eu não deixarei meu entusiasmo desvanecer. Uma das instruções dos ensinamentos progressivos afirma:

"A energia do corpo é cultivada através de prosternações, voltas ao redor de locais sagrados etc. A energia da fala é cultivada através da recitação, dos rituais e assim por diante. A energia da mente é, em geral, cultivada através da virtude; e, especificamente, através do entusiasmo pela prática espiritual."

Essas são as várias formas de energia. Eu me empenharei em ser diligente em todas elas. Sem cair sob o poder da preguiça e da procrastinação, pense que eu tenho que regozijar na virtude.